Os judeus olham demasiado para trás?

A Tora enquanto norma de interpretação, a repetição como forma de aprofundamento, Schubert, os Pink Floyd e o Salmo 23: tudo com votos de um bom início de ano… a olhar para trás!

A Tora enquanto norma de interpretação, a repetição como forma de aprofundamento, Schubert, os Pink Floyd e o Salmo 23: tudo com votos de um bom início de ano… a olhar para trás!

1 . Como mel para a boca

Um coro de vozes femininas e um piano solenizam o Salmo 23, segundo uma composição de Franz Schubert (1797-1828). Gott ist mein Hirte Op. 132 [D. 706], 1820.

 

 

2. Texto Bíblico

No Livro dos Salmos encontramos os aspetos essenciais da espiritualidade do povo israelita. Ainda hoje, estes textos constituem um aspeto fundamental da oração dos judeus e dos cristãos de todas as confissões. Vinda diretamente do grego, a palavra «salmo» designa um poema para ser cantado, normalmente com acompanhamento musical.

Salmo de David.

O SENHOR é meu pastor: nada me falta.
Em verdes prados me faz descansar
e conduz-me às águas refrescantes.

Reconforta a minha alma
e guia-me por caminhos rectos, por amor do seu nome.
Ainda que atravesse vales tenebrosos,
de nenhum mal terei medo
porque Tu estás comigo.
A tua vara e o teu cajado dão-me confiança.

Preparas a mesa para mim
à vista dos meus inimigos;
ungiste com óleo a minha cabeça;
a minha taça transbordou.

Na verdade, a tua bondade e o teu amor
hão-de acompanhar-me todos os dias da minha vida,
e habitarei na casa do SENHOR
para todo o sempre.

3. O Esclarecimento

A Bíblia é chamada, na tradição judaica, TaNak. É uma palavra-símbolo, que se refere às três dimensões que a compõem:

  • T de Tora (ou «Ensino»), a base fundamental que agrupa os códigos de leis, as narrativas da criação, o ciclo dos Patriarcas com Abraão, Isac, Jacob e o ciclo de Moisés. Corresponde ao que os cristãos chamam Pentateuco. Sobre esta base assentam:
  • N de Nebiim (ou «Profetas») e
  • K de Ketubim (ou «Escritos»). Este último contém o livro dos Salmos, incluindo o Salmo 23, que hoje apresentamos.

Os Rabinos comentam sem cessar os livros dos Profetas e dos Escritos à luz do primeiro conjunto de textos, a Tora. Estão, por isso, constantemente a olhar para trás.

No%20filme%20Os%20Dez%20Mandamentos%20(%C3%93scar%20de%20Melhor%20Filme%20em%201957)%2C%20de%20Cecil%20B.%20DeMille%2C%20Mois%C3%A9s%20(Charlton%20Heston)%20conduz%20o%20povo%20eleito%20atrav%C3%A9s%20do%20%C2%ABvale%20da%20sombra%20da%20morte%C2%BB%20do%20Mar%20Vermelho.
No filme Os Dez Mandamentos (Óscar de Melhor Filme em 1957), de Cecil B. DeMille, Moisés (Charlton Heston) conduz o povo eleito através do «vale da sombra da morte» do Mar Vermelho.

 

O Salmo 23 evoca «o vale da sombra da morte». Os rabinos* encontram aqui uma referência clara ao Êxodo do Egito: o vale da sombra da morte é equiparado ao Mar Vermelho que se abriu para que Moisés e o povo eleito o atravessassem.

Este movimento – tão próprio dos rabinos – de olhar para trás para interpretar e reler, à luz da Tora, os outros escritos da Bíblia é um convite para todos os crentes. Os rabinos convidam-nos a deixarmo-nos iluminar, nas nossa próprias vidas, pelo que vem de trás. A história sagrada do povo eleito torna-se então a história sagrada dos crentes de todos os tempos. Na sua vida, o crente deve reconhecer os momentos em que passou, também ele, pelo “vale da sombra da morte” e qual foi o “Mar Vermelho” que foi capaz de atravessar, à imagem de Moisés.

Os rabinos judeus não estão presos ao passado, estão habitados por uma memória ativa dos textos, que lhes permite iluminar qualquer realidade nova.

* Esta interpretação encontra-se no Targum Aramaico, uma tradução aramaica da Bíblia judaica rodeada de comentários que atualizam o texto.

4. Uma palavra final

 

No%20seu%20%C3%A1lbum%20Animals%20(1977)%2C%20os%20Pink%20Floyd%20retomam%20o%20Salmo%2023%20sob%20o%20t%C3%ADtulo%20Sheep.%20Tamb%C3%A9m%20%C3%A9%20de%20apreciar%20o%20s%C3%ADmbolo%20do%20prisma%2C%20t%C3%A3o%20caro%20%C3%A0%20nossa%20f%C3%A9%E2%80%A6
No seu álbum Animals (1977), os Pink Floyd retomam o Salmo 23 sob o título Sheep. Também é de apreciar o símbolo do prisma, tão caro à nossa fé…

 

Para finalizar esta reflexão sobre a leitura rabínica, propomos estas magníficas linhas de Marcel Jousse, em L‘anthropologie du geste. La manducation de la Parole (Paris, 1975):

“Não devemos confundir fazer memória com papaguear, o que fazemos com muita frequência. Um papagaio não tem memória, ou tem a memória de um disco. Mas a memória, a verdadeira memória, a única memória que existe consiste num aprofundamento perpétuo. […]

Compreendemos então a razão pela qual, nos círculos étnicos palestinos, as incansáveis declamações do mesmo texto tradicional geraram tantas descobertas surpreendentes. […] É que as declamações destes homens notáveis estavam cheias dos gestos de aprofundamento que eles realizaram ao longo de toda a sua vida.”

 

* Os jesuítas em Portugal assumem a gestão editorial do Ponto SJ, mas os textos de opinião vinculam apenas os seus autores.


Ajude os Frades Dominicanos da École Biblique et Archéologique Française de Jerusalém a difundir a sabedoria e a beleza que nasceram das Escrituras. Obrigado pela sua generosidade e por acreditar no projeto!

Eu contribuo


PRIXM Logo

Um projeto cultural, destinado ao grande público, da responsabilidade dos Frades Dominicanos da École Biblique et Archéologique Française de Jerusalém.


Sob a direção dos Frades Dominicanos de Jerusalém, mais de 300 investigadores do mundo inteiro estão a desenvolver um trabalho de tradução e anotação das Escrituras, que será oferecido numa plataforma digital que recolherá mais de 3000 anos de tradições judaico-cristãs. Para saber mais, clicar aqui.

PRIXM é o primeiro projecto, destinado ao grande público, fruto deste trabalho. A iniciativa quer estimular a redescoberta dos textos bíblicos e dar a conhecer tudo o que de bom e belo a Bíblia inspirou ao longo dos séculos e até aos nossos dias.