Ir ao cinema: Três rostos

Um excelente filme vindo do Irão é a sugestão cultural da Brotéria para esta semana. Três rostos pode ser visto em Lisboa e no Porto e é-nos apresentado pelo crítico de cinema Carlos Capucho.

Um excelente filme vindo do Irão é a sugestão cultural da Brotéria para esta semana. Três rostos pode ser visto em Lisboa e no Porto e é-nos apresentado pelo crítico de cinema Carlos Capucho.

Breve Sinopse: A popular actriz Behanaz Jafari recebe uma mensagem de vídeo no telemóvel: uma jovem refere desesperadamente ter-lhe pedido ajuda para interceder junto da sua família para que esta a autorize a ingressar no Conservatório, em Teerão. É que esse facto é considerado impróprio para uma mulher e como tal contrariado, pela família, designadamente – e de forma violenta – pelo irmão da jovem. Por não ter obtido qualquer resposta por parte da vedeta, a jovem termina a mensagem cometendo suicídio. Jafari, em grande ansiedade, pede auxílio ao realizador Panahi. Ambos partem para a remota região, junto à fronteira com o Azerbaijão (onde se fala mais turco do que persa), com a finalidade de indagar o sucedido.

Nota Crítica: Eis-nos, de novo, frente a um excelente exemplar da filmografia iraniana. Tanto mais extraordinário quando estamos face a um cinema que se desenvolve numa república islâmica dominada, desde a Revolução de 1979, por uma casta clerical que impõe ao país – sobretudo nos meios urbanos culturalmente evoluídos e, sobremaneira, às mulheres – regras políticas e de costumes, retrógradas e restritivas.  Assim, o cinema apenas pode ser olhado pelas autoridades com suspeição e controle. Sinal disso é a criação, em 1983, da Fundação para o Cinema, sob a égide do Ministério da Cultura e da Orientação Moral, estimulando um cinema de cariz nacionalista quanto a tradição e valores. A fazer-nos recordar as directrizes de António Ferro, no Secretariado da Propaganda Nacional do Estado Novo, incitando a um cinema entranhadamente nacional…

Na antiga Pérsia a cultura do cinema vem de longe, desde finais do século XIX, com as primeiras salas a abrirem desde o dealbar do século seguinte. É a implantação de uma arte popular junto de vastas camadas de público. Não será de estranhar que, apesar de uma férrea censura, e das orientações minuciosas do regime, tenha germinado no Irão, uma espécie de Cinema Novo, livre, criativo e, por isso mesmo, profundamente crítico da situação política e cultural do país. Sempre pautado por qualidade fílmica e temática (enobrecendo o papel das mulheres e sublinhando as humilhações a que a moral da república islâmica as sujeita), não tardou que cineastas e filmes se impusessem ao público europeu e norte-americano com presença regular nos grandes festivais, de onde muitas obras saem regularmente premiadas. E isso acirrou os clérigos e os censores contra os cineastas. Simplificando, sublinhe-se que o grande nome que se impôs, nesta fase e anos subsequentes, é o do notável Abbas Kiarostami (1940-2016), Palma de Ouro, em Cannes pelo excelente O Sabor da Cereja, filme tão recordado na mais recente obra de Panahi. Na geração seguinte salienta-se Mohsen Makhmalbaf (1957) que criou, na pós-revolução, uma empresa familiar de produção cinematográfica em que se destacam as filhas Samira e Marzieh, como realizadoras dotadas. Mohsen é o realizador do muito premiado e encantatório Gabbeh (1996). Não por acaso, nos anos mais recentes, tanto Kiarostami como Makhmalbaf, tiveram que exilar-se para continuarem a realizar filmes.

Na geração mais nova tem-se destacado o nome da Asghar Farhadi (1972), com filmes como Uma Separação (2011), o primeiro, deste realizador distribuído em Portugal e O Passado (2013).

Pertencendo à geração que segue a Kiarostami, Jafar Panahi é, na verdade, um caso singular, pela qualidade fílmica intrínseca, mas também como cineasta a quem o regime persegue particularmente. Na verdade Panahi foi encarcerado em 2010 juntamente com a família e amigos (!) sob pretexto de traição à república islâmica. Tal valeu-lhe uma condenação a dez anos de prisão, inicialmente efectiva, depois domiciliária, uma  proibição de filmar  durante vinte anos (!!), de elaborar argumentos para filmes (!!!), a que se acrescentou a proibição de viajar para o estrangeiro. Ora o que é admirável é que Panahi continua a desafiar a república dos clérigos tendo feito, nos anos mais recentes, quatro filmes, dos quais três foram distribuídos em Portugal. De 2015, Táxi, é um filme em que o próprio realizador protagoniza enquanto ele próprio, como taxista. Todas estas obras têm sido realizadas com escassos meios, mas com a forte qualidade que o equipamento digital oferece a um realizador com o superior talento de Panahi. A este desafio as autoridades não têm respondido com o aumento previsto de castigos o que certamente se justifica pela vasta reacção internacional favorável ao realizador que tem visto as suas obras premiadas em Festivais um pouco por todo o mundo, bem como as homenagens com que tem sido prodigalizado. Mas, é de calcular, que o público do Irão as não veja, a menos que passem clandestinamente, o que é aludido em Táxi.

Não será de estranhar que, apesar de uma férrea censura, e das orientações minuciosas do regime, tenha germinado no Irão, uma espécie de Cinema Novo, livre, criativo e, por isso mesmo, profundamente crítico da situação política e cultural do país.

Em Três Rostos assistimos (tal como já acontecera em Táxi) a essa ‘contaminação’, hoje tão comum (e frequentemente referida nestas artigos) entre ficção e documentário. Também, de novo, em Três Rostos, voltamos a encontrar , Jafar Panahi a ser Panahi, desta vez com a actriz Jafari, também enquanto ela própria.

Os três rostos a que o título se refere, são os das três mulheres presentes no filme: a jovem desesperada do vídeo inicial, a popular actriz – de geração intermédia,  Behnaz Jafari – e uma actriz veterana, da geração anterior à revolução islâmica que depôs o Xá, e que vive uma espécie de exílio/retiro, naquela região remota, e que apenas é referida e discretamente relanceada, ao longe, dedicando-se à pintura. E, pela presença destas três mulheres (e do realizador), vemos que, pelo fio ficcional, Panahi nos conta uma história ancorada (como todos os seus filmes) na realidade dura e complexa da sua pátria, desde 1979. E, ao misturar-se com pedaços do quotidiano, naquele Irão profundo, longe dos principais centros urbanos e do poder directo dos ayatollah, o que perpassa do ecrã para os espectadores é uma reflexão inteligente, criativa, de onde está ausente o ‘sermão’ político estereotipado e panfletário. E, tudo, envolvido numa grande lição de como fazer cinema, de forma simultaneamente grave e leve. Como, por exemplo, aquela população quase entrar em transe ao descobrir, ao vivo, a actriz das telenovelas que adoram e, simultaneamente, acharem que, se do seu seio brota alguém que quer ser actriz, isso é obra do diabo… Ou, os seus costumes antigos, estarem nos antípodas dos ditames da moral ditada pelos clérigos de alto porte, com túnicas ou turbantes caros. Esses aldeãos que Panahi sublinha viverem  esquecidos do poder, nas suas casas pobres e com estradas estreitas e em buracos, onde tiveram que inventar regras próprias para circular. Ou dependentes de uma economia de subsistência onde a morte de um boi pode deitar tudo a perder para a pequena comunidade…. Ao ver, no ecrã, a verdade daqueles aldeãos falando com Jafari ou Panahi, lembrava-me da verdade a brotar de actores não profissionais como os pescadores de La Terra Trema, de Visconti, ou o colador de cartazes, e o seu filho, em Ladri di Biciclette, de DeSica: nenhum deles finge (mesmo que na perfeição), eles são.

Em Três Rostos o cinema, também está em questão, com aquela actriz e aquele realizador. E, também, a veterana actriz que nos não é nomeada, mas que Panahi nos apresenta em interrogações várias. O cinema a não ser ‘mentira 24 vezes por segundo’, mas a transportar-nos a alguma transparência como, em Táxi, Panahi já nos convidara.

O elemento de ‘suspense’ sobre o destino daquela jovem que, no início, se ‘suicidara’ (e que tanta ansiedade provocara nos dois protagonistas), sendo revelado, ainda na primeira parte da narrativa, permite dizer aqui que, afinal, ele tinha sido encenado, gesto de desespero da rapariga para tentar a libertação de um destino traçado por obscurantismo machista. Na verdade Panahi não se deslumbra, sem mais, com aquela gente como se, ali, fosse um ‘céu’, puro. Isso não existe. Ali também há obscurantismo e motivações interesseiras. Mas também há, evidentemente, pedaços de pureza em gente abandonada por quem tem o poder, lá longe, em Teerão.

Um filme a não perder. Obrigado, Jafar Panahi. E que, também para ele, a Liberdade venha.

PS – Depois de alguns áridas semanas, no que toca à exibição de filmes de qualidade, os tempos recentes são mais benignos. Alguns já partiram de cartaz, outros ainda se mantêm. Lembro os títulos: Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, do casal brasileiro e português Messora/Salaviza; Hotel Império, do português Ivo Ferreira; Anoitecer, do húngaro László Nemes; Sinónimos, do israelita Nadav Lapid; Em Chamas, do sul-coreano Lee Chang-dong; Extremamente Perverso, Escandalosamente Cruel e Vil, do norte-americano Joe Berlinger. Este título não deve assustar: é a frase proferida por um juiz americano na sentença de um caso real que envolveu a América, nos anos 70. Um filme notável a mostrar uma América onde hoje existe um senhor chamado Donald Trump.


 

Título original:  – Se Rokh, Irão, 2018 I Drama I 1h40 I M/14

Realização: Jafar Panahi

Argumento: J. Panahi e Nader Saeivar

Fotografia a cores: Amin Jafari

Actores/Actrizes Principais: Behnaz Jafari, Jafar Panahi, Marziyeh Razaei e Maedeh Erteghaei


Em exibição: 

Lisboa:
Cinema Ideal
Telefone:
210998295
Sessões:
5ª 6ª Sáb Dom 2ª 3ª 4ª 15h30, 19h15

UCI Cinemas – El Corte Inglés
Sessões:
5ª 6ª Sáb Dom 2ª 4ª 13h45, 16h25, 19h05, 21h35 3ª 13h45, 16h25

Porto:
Trindade
Telefone:
223162425
Sessões:
5ª 6ª Sáb 2ª 3ª 4ª 14h30, 16h30, 18h30, 21h45 Dom 14h30, 16h30, 18h30

* Os jesuítas em Portugal assumem a gestão editorial do Ponto SJ, mas os textos de opinião vinculam apenas os seus autores.


Brotéria Logo

Sugestão Cultural Brotéria

Esta seção é da responsabilidade da revista Brotéria – Cristianismo e Cultura, publicada pelos jesuítas portugueses desde 1902.

Conheça melhor a Brotéria