Igreja Doméstica – levar aos outros o acolhimento de Jesus

Uma proposta simples de sugestões para viver em família sintonizados com o que Jesus nos propõe.

Uma proposta simples de sugestões para viver em família sintonizados com o que Jesus nos propõe.

Estando sozinho, pode fazer estas propostas convidando alguém a juntar-se a este momento através de alguma ferramenta de comunicação.

Evangelho do V Domingo (Ano B)

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Marcos
Naquele tempo, Jesus saiu da sinagoga e foi, com Tiago e João, a casa de Simão e André. A sogra de Simão estava de cama com febre e logo Lhe falaram dela. Jesus aproximou-Se, tomou-a pela mão e levantou-a. A febre deixou-a e ela começou a servi-los. Ao cair da tarde, já depois do sol-posto, trouxeram-Lhe todos os doentes e possessos e a cidade inteira ficou reunida diante da porta. Jesus curou muitas pessoas, que eram atormentadas por várias doenças, e expulsou muitos demónios. Mas não deixava que os demónios falassem, porque sabiam quem Ele era. De manhã, muito cedo, levantou-Se e saiu. Retirou-Se para um sítio ermo e aí começou a orar. Simão e os companheiros foram à procura d’Ele e, quando O encontraram, disseram-Lhe: «Todos Te procuram». Ele respondeu-lhes: «Vamos a outros lugares, às povoações vizinhas, a fim de pregar aí também, porque foi para isso que Eu vim». E foi por toda a Galileia, pregando nas sinagogas e expulsando os demónios.

 

Rezar em família 

Jesus acolhe cada pessoa tal como é e tal como está. E a cura começa justamente aí. A Palavra e o toque de Jesus permitem que cada pessoa possa recuperar a sua força sentindo-se amada e convidada a servir.

Jesus acolhia pessoas vindas de todos os lugares. Muitos que normalmente eram esquecidos sabiam que Jesus os receberia e por isso aproximavam-se dele sem medo e com grande alegria.

  1. Coloca-se um pequeno cesto na mesa em que habitualmente se faz as refeições.
  2. Dá-se a cada pessoa que está em casa 2 ou 3 pequenos papeis e uma caneta. E cada um pensa:
  • No nome de uma pessoa que ande triste e que precise da alegria de Jesus e escreve esse nome num papel.
  • No nome de alguém com quem possa ter sido antipático e escreve esse nome num papel.
  • O nome de alguém com quem tenha ficado zangado e escreve esse nome num papel.

3. Coloca-se todos os papeis no cesto. Faz-se uma oração em família por essas pessoas, pedindo que saibamos levar-lhes o acolhimento de Jesus.

4. Pedimos a Maria que nos ensine a sermos mais parecidos com Jesus e rezamos uma Avé Maria.

Nota: Ao longo da semana, depois do jantar ou noutro momento, pode-se ir tirando um ou dois papeis. Reza-se por essa pessoa e todos ajudam quem escreveu o nome a pensar como pode levar o acolhimento de Jesus a essa pessoa.

5. Cântico

 

Disfrutar em família

O Teatro D. Maria II oferece-nos a narração de vários contos para a infância feita por alguns dos seus atores. Hoje propomos que se possa ver em família o conto A semente” (04min27seg). Uma história breve que nos inspira a viver em verdade diante dos outros. Partindo desta história, podemos conversar em família sobre o que podemos aprender com a protagonista do conto. Como é que o modo como aquela rapariga se apresentar diante do rei nos pode ensinar a estarmos de forma verdadeira diante uns dos outros e de Deus.

 

Descobrir em família

“E Jesus foi por toda a Galileia.” E se fossemos descobrir em algum mapa onde fica a Galileia. E será que conseguimos encontrar fotografias do Mar da Galileia? Já agora, em que país fica hoje esta região?

 

Aprofundar

Esta proposta chama-se Igreja Doméstica. Mas afinal, o que é que isso significa? Um texto de Ermes Ronchi publicado pela Pastoral da Cultura pode ajudar-nos a compreender melhor o sentido desta expressão.
Entretanto vale a pena ler a segunda parte do artigo do Cardeal Michael Czerney, sj que publicamos hoje. É uma ajuda importante para que a nossa comunidade cristã alargue as suas fronteiras e permita que todos se sintam participantes ativos dessa comunidade.

Fotografia:  Mick Haupt – Unsplash

* Os jesuítas em Portugal assumem a gestão editorial do Ponto SJ, mas os textos de opinião vinculam apenas os seus autores.