António Vieira: Um Profeta Sempre Incómodo

Vieira foi um português, um dos maiores, sem dúvida. Importa recordá-lo, sobretudo lê-lo. Para aprender dele como acolher com reverência – temperada por saudável espírito crítico – a identidade e a história portuguesas.

A história de Portugal, tal como a história de qualquer povo, não foi perfeita. E os nossos heróis nacionais também não estão isentos de ambiguidades. A história foi feita por homens e mulheres de carne e osso, como nós, aliás. Homens e mulheres que se defrontaram com todo o tipo de dilemas e que precisaram de tomar decisões sem poder elevar-se acima da espuma do tempo e da história. Julgar o passado parece fácil. Sobretudo se o fazemos à luz dos nossos critérios. Mais difícil é ter lucidez para perceber o presente e escolher o futuro. O nosso passado não foi perfeito. Não, não foi. Mas quem decidir o passado acaba por apagar também o presente e compromete o futuro. Esvaziar o nosso panteão – e derrubar as estátuas dos homens e mulheres que escreveram a nossa história – não só não corrige o passado como nos deixa à deriva no presente. Já para não dizer que ter o atrevimento de tentar transformar os nossos heróis em anti-heróis é simplesmente um disparate. Mas, foi exatamente isto que um grupo de ativistas tentaram fazer com o Padre António Vieira: dois ou três slogans, e num repente Vieira, que a história consagrou como um grande defensor dos escravos e das populações indígenas da América do Sul, é transformado num “esclavagista seletivo”. Haja paciência! Mas, vamos aos detalhes.

No dia 23 de junho, era inaugurada junto à Igreja de S. Roque uma estátua do Padre António Vieira. Situada junto à antiga casa professa da Companhia de Jesus em Lisboa, a Igreja de S. Roque foi o cenário de muitos dos célebres sermões de um dos maiores vultos da nossa história literária: “o imperador da língua portuguesa”, como lhe chamou Fernando Pessoa. Nas palavras de circunstância, as personalidades presentes – entre as quais se contavam o Cardeal Patriarca de Lisboa, D. Manuel Clemente, o presidente da Câmara, Fernando Medina, e o Provincial da Companhia de Jesus, P. José Frazão Correia – não tiveram dificuldade em exprimir as razões da justa homenagem promovida pela Santa Casa da Misericórdia: além de nome maior da literatura portuguesa, Vieira, que nasceu em Lisboa em 1608 e que pode ser considerado um dos mais ilustres filhos da cidade, foi um grande missionário e uma voz profética que defendeu as populações indígenas brasileiras e denunciou com coragem os abusos praticados pelos protagonistas da expansão marítima portuguesa. “Figuras como o Padre António Vieira são marcantes”, dizia o P. José Frazão, “não simplesmente porque hoje devemos fazer o que eles fizeram, mas pela atitude: uma pessoa profundamente atenta aos problemas do seu tempo e alguém que compreende que a adesão ao Evangelho o leva a agir pela palavra em favor dos perseguidos”.

Não obstante, nem o seu brilhantismo literário nem a sua audácia profética são suficientes para fazer de Vieira uma figura totalmente consensual. É prova disso a insólita situação de que foi palco o Largo Trindade Coelho no passado dia 5 de outubro. Conforme noticiado pelo jornal Público, o grupo “Descolonizando” organizou um protesto contra a estátua do Padre António Vieira, acusando-o de ser “um esclavagista seletivo” e cúmplice do “etnocídio ameríndio”. “A evangelização jesuíta,” denunciava o cartaz dos responsáveis pelo protesto, “foi a maior responsável pelo etnocídio ameríndio”. O protesto acabaria por ser boicotado por um grupo de pessoas de extrema-direita que rodearam a estátua e impediram os manifestantes de se aproximarem para depositar flores e declamar poesia.

É indiscutível, parece-me, que Portugal, enquanto potência colonizadora, foi responsável por injustificáveis atrocidades perpetradas não só no Brasil como nos vastos territórios que foram alvo da expansão portuguesa. Até que ponto os jesuítas foram coniventes com os abusos dos colonizadores portugueses é uma questão complexa que não pode ser analisada com base em preconceitos e leituras superficiais. Se queremos matizar a discussão, bastaria pensar no impressionante trabalho desenvolvido pelos jesuítas junto dos índios nas famosas «reduções» da América Latina, que situam o argumento do bem conhecido filme A Missão, dirigido por Roland Juffé. O que me parece por demais evidente é que erram o alvo aqueles que pretendem associar Vieira aos condenáveis exageros da expansão marítima portuguesa. Escusado será dizer que é um anacronismo crasso procurar avaliar o passado com base na mentalidade contemporânea. Parece, afinal, que o relativismo e a tolerância são só para o que convém.

A verdade é que Vieira é uma figura maior da nossa história, não só porque foi um grande pregador, um artífice ímpar da literatura portuguesa e um missionário intrépido, mas sobretudo porque soube usar o púlpito, o seu talento literário e a sua capacidade de influência política para denunciar com invulgar coragem e persistência os abusos da colonização portuguesa, em particular a mentalidade esclavagista e a ganância dos colonizadores. São inúmeros, de facto, os sermões e as missivas em que Vieira denuncia a brutalidade dos castigos infligidos aos escravos. Não há dúvida de que Vieira se deixou comover profundamente pelo drama da escravatura, como deixa entrever, por exemplo, a forma como descreve, num sermão pregado na Baía no ano de 1633, tinha ele apenas 25 anos, os desconcertantes contrastes entre os senhores e os seus escravos: “Os senhores poucos, os escravos muitos; os senhores rompendo galas, os escravos despidos e nus; os senhores banqueteando-se, os escravos perecendo à fome; os senhores nadando em oiro e prata, os escravos carregados de ferro; os senhores tratando-os como brutos, os escravos adorando-os e temendo-os como deuses; os senhores em pé, apontando para o açoite, como estátuas da soberba e da tirania, os escravos atados, com as mãos atadas atrás, como imagens vilíssimas da servidão e espetáculos da extrema miséria”.

Vieira foi, inevitavelmente, um homem do seu tempo. Mas foi, também, um homem à frente do seu tempo, porque capaz de se elevar acima da mentalidade dominante, encarnando o papel de consciência crítica do Portugal setecentista. Por isso, Vieira não pode ser condenado por grupos que querem apagar a nossa história. Seria um erro, porém, deixar que Vieira fosse apropriado por grupos nacionalistas e de extrema-direita, incapazes de uma perspetiva crítica sobre a identidade portuguesa. Por que mais que se queira proteger a sua estátua, Vieira não se deixa apropriar como bandeira de nenhuma fação ideológica.

Vieira foi um português, um dos maiores, sem dúvida. Importa recordá-lo, sobretudo lê-lo. Para aprender dele como acolher com reverência – temperada por saudável espírito crítico – a identidade e a história portuguesas.

 

* Os jesuítas em Portugal assumem a gestão editorial do Ponto SJ, mas os textos de opinião vinculam apenas os seus autores.