Últimas

Entre a sede e as fontes

Na experiência crente, a pergunta sobre «onde está Deus» interroga-nos sobre o modo como olhamos para o mundo e os outros. Se é verdade que somos habitados pela sede, precisamos de ganhar olhos para descobrir as fontes imprevistas.

Estudar Humanidades ou produzir gerações submissas?

“Vais para Humanidades? Nem penses! Isso não te serve para nada”. Soube de um livreiro português na Suíça que teimava em vender livros em língua portuguesa. Na parede da sua livraria tinha escrito: “Quanto mais ignorantes melhor para os governantes”. Ele conhecia bem a utilidade social das letras e das humanidades.

Já não se espera nada de nós?

«Aquilo que deixarmos passar em branco hoje, amanhã ocorrerá de novo, até que façamos disso um hábito e também nós nos transformemos numa engrenagem indispensável.» (Papa Francisco, em “Deus é jovem”)

Regulação de nascimentos, química e natureza

Uma radical e não dinâmica interpretação da encíclica Humanae Vitae pode cristalizar numa posição segundo a qual só é moralmente aceitável a anticoncecionalidade que recorre aos chamados métodos naturais.

A nova agenda

A luta contra a fome, as epidemias e a guerra, vai ser nos próximos tempos substituída pela procura da imortalidade e da felicidade, conduzindo, no limite, à aspiração da transformação do Homo sapiens num Homo deus.

Da necessidade do vazio

O vazio assusta-nos, temos-lhe medo, quase horror. Pensar numa vida vazia, num coração vazio, numa casa vazia, não é acolhedor nem quente, nem enche as medidas. Pode o vazio trazer algo de bom?