Um processo demasiado rápido

David Bowie, Martin Scorsese, Tintoretto, uma pequena lição de direito romano e uma jóia de Victor Hugo para terminar.

David Bowie, Martin Scorsese, Tintoretto, uma pequena lição de direito romano e uma jóia de Victor Hugo para terminar.

1. Como mel para a boca

Em A última tentação de Cristo — filme de Martin Scorsese a partir do romance de Níkos Kazantzákis (1954), obras célebres pela controvérsia que suscitaram —, David Bowie representa um Pôncio Pilatos obcecado com as razões de Estado e… com a toilette do seu cavalo. A cena não tem senão uma relação distante com a história apresentada no Evangelho, apesar da presença dos seus personagens e do seu contexto histórico. O filme, no seu conjunto, é uma ficção.

 


2. Um texto bíblico

Nestes quatro domingos antes da festa da Páscoa, propomos-vos um pequeno itinerário através de quatro dos passos da Paixão. Esta semana focamos a nossa atenção no processo de Jesus diante de Pilatos.

Logo de manhã, os sumos sacerdotes reuniram-se em conselho com os anciãos e os doutores da Lei e todo o Sinédrio; e, tendo manietado Jesus, levaram-no e entregaram-no a Pilatos. Perguntou-lhe Pilatos:

“És Tu o rei dos Judeus?”

Jesus respondeu-lhe:

“Tu o dizes.”

Os sumos sacerdotes acusavam-no de muitas coisas. Pilatos interrogou-o de novo, dizendo:

“Não respondes nada? Vê de quantas coisas és acusado!”

Mas Jesus nada mais respondeu, de modo que Pilatos estava estupefacto. Ora, em cada festa, Pilatos costumava soltar-lhes um preso que eles pedissem. Havia um, chamado Barrabás, preso com os insurretos que tinham cometido um assassínio durante a revolta. A multidão chegou e começou a pedir-lhe o que ele costumava conceder. Pilatos, respondendo, disse:

“Quereis que vos solte o rei dos judeus?”

Porque sabia que era por inveja que os sumos sacerdotes o tinham entregado. Os sumos sacerdotes, porém, instigaram a multidão a pedir que lhes soltasse, de preferência, Barrabás. Tomando novamente a palavra, Pilatos disse-lhes:

“Então que quereis que faça daquele a quem chamais rei dos judeus?”

Eles gritaram novamente:

“Crucifica-o!”

Pilatos insistiu:

“Que fez Ele de mal?”

Mas eles gritaram ainda mais:

“Crucifica-o!”

Pilatos, desejando agradar à multidão, soltou-lhes Barrabás; e, depois de mandar flagelar Jesus, entregou-o para ser crucificado.

Evangelho segundo São Marcos, 15,1-15


3. O esclarecimento

É necessário debruçar-se sobre os costumes jurídicos do Império Romano para compreender bem o que está em jogo e as atitudes das diferentes personagens durante a passagem de Jesus diante de Pilatos.

 

A acusação política

A acusação dirigida a Jesus é claramente política: quem se fizer rei opõe-se ao César. Jesus é enviado a Pilatos porque representa um perigo potencial para a ordem pública.

 

Uma acusação grave

Roma não admitia que surgissem reis não aprovados nas regiões controladas pelo Império. O historiador judeu contemporâneo de Jesus, Flávio Josefo, relata um célebre caso nas suas Antiguidades Judaicas: Augusto manifestou um descontentamento extremo quando Aretas IV, mesmo se sucessor incontestado, subiu ao trono da Arabia aquando da morte de seu pai Obodas no ano 9 a.C., sem esperar a permissão de Roma.

Roma compreendia toda a pretensão real proclamada como uma rebelião contra o poder imperial. Em virtude da lex Iulia de maiestate, os romanos crucificaram muitos que se proclamavam reis e os que a eles aderiam. Pilatos não pode, por isso, ignorar uma tal acusação.

 

Mih%C3%A1ly%20Munk%C3%A1csy%2C%20Cristo%20diante%20de%20P%C3%B4ncio%20Pilatos%20(%C3%B3leo%20sobre%20tela%2C%201881)%2C%20Museu%20D%C3%A9ri%2C%20Debrecen%2C%20Hungria
Mihály Munkácsy, Cristo diante de Pôncio Pilatos (óleo sobre tela, 1881), Museu Déri, Debrecen, Hungria

O silêncio de Jesus

Na lei romana, só podem ser executados sem apelo os criminosos presos em flagrante delito. Senão, o acusado deve ser interrogado. É por isso que Pilatos interroga Jesus.

Mas um acusado que recusa defender-se é considerado culpado, como o recorda Quintiliano na Instituição Oratória: «não há processo se o arguido não responde nada». Opondo o seu silêncio às acusações, Jesus compromete o processo e espera uma condenação à morte.

Jesus não tem nenhuma pretensão de competir pela realeza terrestre. Bastava-lhe dizer que essa acusação era falsa para ser inocentado. No entanto, a sua recusa em falar não é uma confissão. É uma forma de deixar acontecer a crucifixão. Jesus consente a ser crucificado e não procura defender-se: “a minha vida ninguém ma tira, sou eu que a dou” (Jo 10,18).

Porque é que Jesus consente em morrer? Falaremos disso no domingo de Páscoa.

 

Tintoretto%2C%20Cristo%20diante%20de%20Pilatos%20(%C3%B3leo%20sobre%20tela%2C%201565-67)%2C%20Scuola%20Grande%20di%20San%20Rocco%2C%20Veneza
Tintoretto, Cristo diante de Pilatos (óleo sobre tela, 1565-67), Scuola Grande di San Rocco, Veneza

4. E ainda uma palavra final…

Terminamos com o pitoresco “Ecce homo” de Victor Hugo, da sua coleção póstuma La fin de Satan (1886):

“Existia, no dia de Páscoa, um costume
Muito antigo, no qual judeus e Roma estavam de acordo,
Que o povo, de entre os condenados à morte,
Escolhesse um miserável ao qual agraciar.

Perto do palácio, lugar escuro onde a multidão se acumula,
Apressava-se, como os enxames em torno de colmeias,
o povo da cidade e das regiões vizinhas
Que um lictor continha com o punho do seu machado. […]

Via-se ir e vir nesse lugar, sem bastão,
Alegres, de olhar feliz, quem antes, dizia-se,
pálidos, e mendigando às portas das lojas,
eram cegos, surdos, coxos, paralíticos,
e que o homem chamado Cristo tinha curado.
Era a mesma multidão em gritos tumultuosos
Quem, antigamente, agitando ao vento ramos verdes,
E as almas a Deus totalmente abertas,
Batendo palmas, cantando cânticos, corriam
pelos caminhos diante de Jesus de Nazaré.
Vários o tinham bendito como um deus a quem se escuta;
E, por ter lançado os seus mantos sobre o caminho,
Tinham ainda terra nas suas roupas. […]

Apareceu de repente no limiar do palácio
Cristo coroado de espinhos e vestido de escarlate;
Tinha uma cana na mão; e Pilatos,
Mostrando-lho, diz-lhes: — Eis o homem.

Cristo
Estava em silêncio, de olhar no céu.

E Pilatos retomou:
— Deixamos hoje um miserável viver.
Povo, qual dos dois queres tu que eu liberte:
Barrabás, ou Jesus chamado Cristo? — Barrabás!
Gritou o povo. Então, sob os seus passos,
Julgaram escutar um estrondo

Ecoar… —  Alguém se estava a rir por baixo da terra.”

* Os jesuítas em Portugal assumem a gestão editorial do Ponto SJ, mas os textos de opinião vinculam apenas os seus autores.


Ajude os Frades Dominicanos da École Biblique et Archéologique Française de Jerusalém a difundir a sabedoria e a beleza que nasceram das Escrituras. Obrigado pela sua generosidade e por acreditar no projeto!

Eu contribuo


PRIXM Logo

Um projeto cultural, destinado ao grande público, da responsabilidade dos Frades Dominicanos da École Biblique et Archéologique Française de Jerusalém.


Sob a direção dos Frades Dominicanos de Jerusalém, mais de 300 investigadores do mundo inteiro estão a desenvolver um trabalho de tradução e anotação das Escrituras, que será oferecido numa plataforma digital que recolherá mais de 3000 anos de tradições judaico-cristãs. Para saber mais, clicar aqui.

PRIXM é o primeiro projecto, destinado ao grande público, fruto deste trabalho. A iniciativa quer estimular a redescoberta dos textos bíblicos e dar a conhecer tudo o que de bom e belo a Bíblia inspirou ao longo dos séculos e até aos nossos dias.