Tocar na carne

Ganeses de tradição ortodoxa russa, a incredulidade de São Tomé, pinturas magníficas e o olhar do fundador das Conferências de São Vicente de Paulo… Mostramo-vos tudo!

Ganeses de tradição ortodoxa russa, a incredulidade de São Tomé, pinturas magníficas e o olhar do fundador das Conferências de São Vicente de Paulo… Mostramo-vos tudo!

1. Como mel para a boca

Ganeses de tradição ortodoxa russa interpretam o hino Christ is risen from the death («Cristo ressuscitou dos mortos»). Apreciamos particularmente o sacerdote convertido em chefe de coro em primeiro plano e a partida em procissão movendo todos a anca…

Quem disse que uma tradição milenar é necessariamente estática?

 


2. Um texto bíblico

Ao longo dos 7 domingos do tempo pascal, propomos um mergulho nos relatos da Páscoa e da Ressurreição. Hoje, eis o momento em que Jesus se apresenta aos seus apóstolos e Tomé compreende que Cristo ressuscitou verdadeiramente.

Ao anoitecer daquele dia, o primeiro da semana, estando fechadas as portas do lugar onde os discípulos se encontravam, com medo das autoridades judaicas, veio Jesus, pôs-se no meio deles e disse-lhes:

– A paz esteja convosco!

Dito isto, mostrou-lhes as mãos e o peito. Os discípulos encheram-se de alegria por verem o Senhor. E Ele voltou a dizer-lhes:

– A paz seja convosco! Assim como o Pai me enviou, também Eu vos envio a vós.

Em seguida, soprou sobre eles e disse-lhes:

– Recebei o Espírito Santo. Àqueles a quem perdoardes os pecados, ficarão perdoados; àqueles a quem os retiverdes, ficarão retidos.

Tomé, um dos Doze, a quem chamavam o Gémeo, não estava com eles quando Jesus veio. Diziam-lhe os outros discípulos:

– Vimos o Senhor!

Mas ele respondeu-lhes:

– Se eu não vir o sinal dos pregos nas suas mãos e não meter o meu dedo nesse sinal dos pregos e a minha mão no seu peito, não acredito.

Oito dias depois, estavam os discípulos outra vez dentro de casa e Tomé com eles. Estando as portas fechadas, Jesus veio, pôs-se no meio deles e disse:

– A paz seja convosco!

Depois, disse a Tomé:

– Olha as minhas mãos: chega cá o teu dedo! Estende a tua mão e põe-na no meu peito. E não sejas incrédulo, mas fiel.

Tomé respondeu-lhe:

– Meu Senhor e meu Deus!

Disse-lhe Jesus:

– Porque me viste, acreditaste. Felizes os que crêem sem terem visto!

Evangelho segundo São João 20,19-29

 

Rembrandt%20Harmenszoon%20van%20Rijn%2C%20A%20incredulidade%20de%20S%C3%A3o%20Tom%C3%A9%2C%20(pintura%20sobre%20madeira%2C%201634)%2C%20Museu%20Pushkin%2C%20Moscovo%2C%20R%C3%BAssia
Rembrandt Harmenszoon van Rijn, A incredulidade de São Tomé, (pintura sobre madeira, 1634), Museu Pushkin, Moscovo, Rússia

3. O esclarecimento

O discípulo Tomé exprime uma dupla exigência: “Se eu não vir o sinal dos pregos nas suas mãos e não meter o meu dedo nesse sinal dos pregos e a minha mão no seu peito, não acredito”. Para acreditar, o discípulo quer não só ver, mas também tocar.

Ao pedir para “tocar”, o discípulo convoca o mais inequívoco dos 5 sentidos:

  • Com uma visão, poderia tratar-se de uma aparição;
  • Com o tacto, a ressurreição carnal é perfeitamente confirmada.

É esta certeza que é oferecida a Tomé, segundo testemunham os evangelhos: Jesus ressuscitou, venceu a morte não sob a forma de um espírito, mas em todo o seu ser de carne.

 

Michelangelo%20Merisi%20da%20Caravaggio%2C%20A%20incredulidade%20de%20S%C3%A3o%20Tom%C3%A9%20(%C3%B3leo%20sobre%20tela%2C%201603)%2C%20Pal%C3%A1cio%20de%20Sanssouci%2C%20Potsdam%2C%20Alemanha
Michelangelo Merisi da Caravaggio, A incredulidade de São Tomé (óleo sobre tela, 1603), Palácio de Sanssouci, Potsdam, Alemanha

A ressurreição na carne põe em evidência um ponto importante do cristianismo: Deus-feito-homem nasce, vive e morre num corpo e ressuscita nesse mesmo corpo, pelo que a carne do homem é digna, o corpo do homem é bom.

Esta forma de pensar não era evidente na Antiguidade e permaneceu tema de debate. Platão, por exemplo, reverenciava o mundo das ideias, mas criticava a carne, lugar de tudo o que é baixo, segundo ele. No Fedro, Platão qualifica mesmo o corpo de “túmulo”. O corpo seria uma prisão que sufoca o nosso espírito:

«Íntegras, simples, imutáveis e bem-aventuradas eram as aparições que nos enchiam […] pois, numa luz pura, éramos puros; não carregávamos a marca deste túmulo que sob o nome de “corpo” trazemos agora connosco, vinculados a ele como a uma concha.»

Um pensamento que fizesse do corpo um túmulo, um lugar necessariamente mau, está a anos-luz dos ensinamentos do Evangelho.

As características do corpo do Ressuscitado ensinam-nos outra coisa: Jesus ressuscita com as suas feridas. Assim, ele assume tudo o que pertence à humanidade, mesmo os seus sofrimentos. Ele não regressa num corpo de Apolo, nem sob a forma de uma beleza ideal a alcançar.

A beleza segundo o Evangelho não é, portanto, nem uma ideia nem uma aparência: a beleza toma a forma de um corpo real que suportou o sofrimento e que ressuscitou com as marcas das suas feridas.

 

Giovanni%20Francesco%20Barbieri%20(Guercino)%2C%20A%20incredulidade%20de%20S%C3%A3o%20Tom%C3%A9%20(%C3%B3leo%20sobre%20tela%2C%201621)%2C%20Pinacoteca%2C%20Cidade%20do%20Vaticano
Giovanni Francesco Barbieri (Guercino), A incredulidade de São Tomé (óleo sobre tela, 1621), Pinacoteca, Cidade do Vaticano

4. E ainda uma palavra final…

Frédéric Ozanam (1813-1853) foi professor de literatura estrangeira na Sorbonne e ensaísta. Fundou as Conferências de São Vicente de Paulo para cuidar dos mais pobres. Para ele, eram os pobres que permitiam fazer a experiência táctil de Tomé. Cada um pode, com efeito, ter a mesma dúvida que o discípulo. Para Ozanam, o serviço aos pobres dá a certeza oferecida a Tomé.

«Parece que é necessário ver para amar e nós não vemos Deus senão pelos olhos da fé e a nossa fé é tão débil! Mas os homens, mas os pobres, vemo-los com os olhos da carne, eles estão aí e nós podemos meter o dedo e a mão nas suas feridas e as marcas da coroa de espinhos são visíveis na sua fronte. E aqui a incredulidade já não pode ter lugar e nós deveríamos cair aos seus pés e dizer-lhes com o apóstolo: Tu es Dominus et Deus meus; vós sois nossos mestres e nós seremos vossos servos.»

Citado em Gérard Cholvy, Frédéric Ozanam – l’engagement d’un intellectuel catholique au  XIXe siècle, 2012.


Ajude os Frades Dominicanos da École Biblique et Archéologique Française de Jerusalém a difundir a sabedoria e a beleza que nasceram das Escrituras. Obrigado pela sua generosidade e por acreditar no projeto!

Eu contribuo


PRIXM Logo

Um projeto cultural, destinado ao grande público, da responsabilidade dos Frades Dominicanos da École Biblique et Archéologique Française de Jerusalém.


Sob a direção dos Frades Dominicanos de Jerusalém, mais de 300 investigadores do mundo inteiro estão a desenvolver um trabalho de tradução e anotação das Escrituras, que será oferecido numa plataforma digital que recolherá mais de 3000 anos de tradições judaico-cristãs. Para saber mais, clicar aqui.

PRIXM é o primeiro projecto, destinado ao grande público, fruto deste trabalho. A iniciativa quer estimular a redescoberta dos textos bíblicos e dar a conhecer tudo o que de bom e belo a Bíblia inspirou ao longo dos séculos e até aos nossos dias.