Missão Moçambique

 

A nossa história em Moçambique começa, não em Moçambique, mas no vizinho Malawi, entre 1991 e 1994, através da intervenção conjunta com os Jesuítas, no Campo de Refugiados de Mankhokwe. Após o desmantelamento dos campos de refugiados moçambicanos, os Jesuítas convidaram os LD a participar na reconstrução do país. Ao longo dos anos estivemos presentes com missões em Lifidzi, Fonte Boa, Beira, Lichinga e Cuamba.

A maioria dos projetos nestas missões foram essencialmente na área da educação, com leccionamento de aulas em diversas escolas e projetos de alfabetização, Foram também criadas várias estruturas nas diferentes missões, desde Bibliotecas, Centros de Informática, Clubes e Campos de de Jogos e Anfiteatros. Também foram desenvolvidos alguns projetos na área da saúde, com projetos no combate ao HIV-SIDA, bem como redes de Postos Sanitários. 

Um dos mais emblemáticos projetos dos LD em Moçambique foram as Escolinhas Comunitárias do Niassa. De 1996 a 2018 que as Escolinhas Comunitárias do Niassa contaram com o apoio dos Leigos para o Desenvolvimento na gestão, coordenação, capacitação e definição estratégica do projeto. As Escolinhas são uma rede diocesana de jardins-de-infância comunitários em zonas rurais que funcionam diariamente no período da manhã e que são geridos pela comunidade local. Veja, sobre este projeto, o documentário O Dia de Amanhã.

Depois de concluída em 2019 a missão de Cuamba, ao longo dos últimos anos têm existido vários retrocessos no processo de abertura de uma nova missão em Moçambique, fruto por um lado da pandemia e também do falecimento inesperado do bispo do Gurué, para onde estava previsto os LD irem. Atendendo a esta realidade, foram reestabelecidos contactos com a diocese do Gurué, e foram desenvolvidas ações de diagnóstico também na diocese de Tete, para a abertura de uma nova missão no último trimestre de 2022.