Últimas

Retórica avançada

Mas como se resolve na prática esta questão, quando não há provas, passaram mais de trinta anos e quando o único “sinal” que temos é a ira do acusado e a tranquilidade do acusador num mundo de agitação estéril que privilegia a primeira e ignora a segunda; ou melhor, que não atribui valor nem a uma nem à outra?

A vaidade dos estúpidos

Num momento em que tudo se denuncia, não se presta a devida atenção aos estúpidos e ao mal que causam. Talvez por uma estranha moleza ou inaceitável desconfiança de que os estúpidos podemos ser nós.

Estar em todo o lado

A culpa pode também ser do próprio Marcelo, que é tudo do melhor que há e ao mesmo tempo tudo o que é excessivo e corre mal. Estava tudo tão bem, para quê ainda ir ao Rock in Rio falar à frente de um painel cheio de marcas publicitárias?

Mais perto

É possível que o Papa quisesse dizer que não é bom sermos desleixados com aquilo em que acreditamos e que não devemos ser diferentes em público do que somos em privado.

Sei o que queres ser

O negócio de venda de perfis depende por tudo isto de uma visão estreita do que é uma pessoa. Para o Facebook e para empresas como a Cambridge Analytica não existem realmente pessoas, mas hábitos e comportamentos.

Responsabilidade política

Perante a admissão de que não está ao nosso alcance saber como as coisas vão correr, independentemente de todo o empenho e trabalho, há que perceber a relevância do pedido de desculpa de Hillary Clinton. O que significa pedir desculpa por uma situação que, apesar de tudo, não é possível controlar?