Últimas

A pobreza na toxicodependência

Um estágio, num hospital onde 90% dos doentes estavam infectados por VIH e eram toxicodependentes, permitiu a Raquel Borges de Pinho transformar o modo como olhava para esta realidade, curando a sua falta de empatia com aquelas pessoas.

Vim para o Porto trabalhar e ajudar o meu filho

Com 60 anos, Francisco dos Santos Filho veio do Brasil para o Porto para procurar trabalho e ajudar um filho doente. Chegou a trabalhar 12 horas, sem tempo para almoçar, ganhando menos que o salário mínimo e estando sem contrato três meses.

Inquietude para trabalhar

A P+E é uma plataforma que cria pontes e estabelece sinergias entre o mundo empresarial e cidadãos em situação de sem-abrigo no Porto, com perfil de empregabilidade. Jorge Mayer conta-nos a história que o levou a desenvolver este projeto.

A solidão é uma das maiores pobrezas

Hoje ouvimos quem passa pela solidão na velhice e quem a acompanha. No Algarve, numa freguesia em que alguns idosos desistiam de viver, um lar construído em forma de aldeia ajudou a encontrar companhia. Mas persistem marcas de solidão.

Não vamos julgar, vamos salvar

P. João Torres acompanha reclusos em Braga e desafia-nos a mudar a nossa forma de olhar as pessoas que estão detidas. Pessoas como nós, diz, que apenas precisam de oportunidades e da nossa presença e companhia.

E se todas as oportunidades nos fossem tiradas?

O que nos aconteceria se nos retirassem todas as oportunidades? Se fossemos privados disso por uma semana, um mês, um ano, uma década? Conseguimos imaginar? Teresa Cardoso ajuda-nos a fazer esta reflexão.

Não queremos ser surdos à voz dos pobres

Assinala-se no domingo o II Dia Mundial dos Pobres. A Comissão do Apostolado Social dos Jesuítas em Portugal lança hoje, no Ponto SJ, a iniciativa “Não queremos ser surdos à voz dos pobres”. O P. Frederico Lemos, sj explica em que consiste.

PAR pede reunião de urgência ao Governo

No dia em que ficou conhecida a situação precária de três famílias refugiadas em Miranda do Corvo, Plataforma de Apoio aos Refugiados, cuja coordenação cabe ao JRS, pede ao governo que retome reuniões do Grupo de Trabalho interministerial.