Viver a Agradecer em Peniche

A melhor maneira que eu tenho de descrever o que foi viver em Peniche durante 15 dias é agradecendo. Obrigado aos animados que alinharam nas atividades divertidas e sérias, parvas e sentidas!

Depois das atividades terem sido suspensas em Março devido à pandemia, temi que Peniche se tivesse esquecido dos Gambozinos, mas mal o grupo de animadores entrou no P3 fomos recebidos com enorme alegria. Alegria essa que nos contagiou e se manteve ao longo das duas semanas.

Das explicações aos mergulhos do pontão, passando por noites de karaoke, BDS’s na falésia e jogos de paint-esponja: vivemos como Gambozinos. Os sorrisos e gargalhadas constantes da Amizade, experienciámos nos mergulhos no mar e nos passeios nas falésias a beleza da Natureza, nas explicações o espírito comprometido ao Serviço e a cada dia que passou entregámos e agradecemos a Deus.

A melhor maneira que eu tenho de descrever o que foi viver em Peniche durante 15 dias é agradecendo. Obrigado aos animados que alinharam nas atividades divertidas e sérias, parvas e sentidas. Às famílias de Peniche que nos acolheram de forma tão profunda. Aos animadores que demonstram o seu compromisso vivo e alinhado. Ao Gonçalo Costa sj e ao Pe Diogo pelo acompanhamento espiritual que nos deu tanta força. Vivemos agradecidos.

Zé Maria Balcão Reis (animador)

 

Em primeiro lugar, afirmo que estes 15 dias com os GBZ foram assim como uma grande surpresa, porque não estava a espera que acontecesse, pois normalmente estas atividades decorrem durante um período de 2 dias de X em X tempo, mas ainda bem que aconteceu.

Durante todo esse tempo, as atividades propostas pelos animadores foram incríveis e divertidas. Tudo o que nos foi proporcionado correu como o previsto (eu acho) e o melhor é que foi nos níveis possíveis de segurança para todos, devido a esta situação desagradável em que nos encontramos de Covid-19.

Para finalizar, agradeço em meu nome e de todos os Gambozinos de Peniche, aos animadores que disponibilizaram estes 15 dias fantásticos connosco, porque podiam ter optado por ficar em casa a estudar, a aproveitar um pouco mais de férias ou simplesmente ficar em casa com a família mas preferiram vir para esta pequena cidade, cuidar e entreter crianças e adolescentes destas idades, o que não é coisa de pouca responsabilidade. Então agradecemos de coração e pedimos por mais momentos marcantes como estes.

Pode não parecer, mas TODOS vocês fazem a diferença, cada um à sua maneira, mas fazem! Pelo menos em mim, vocês fazem a diferença, mostrando o quão solidários e prestativos podemos ser uns para os outros (acho que sabem ao que me refiro particularmente).

Muito obrigada a todos.

Esperança (gambozina, 15 anos)