Últimas

Sob uma neve de pólen

São livros difíceis [os de Agustina], dizem-me. Pois claro, porque não é fácil encarar a pintura de um espelho. São difíceis como é difícil estar de olhos abertos na vida. Livros escavados, que não seguem “em frente” mas “para dentro”.

“Inominável evento global”

A sugestão da Brotéria para este fim de semana é ler um belíssimo texto de Jacinto Lucas Pires. “Estamos a aprender a pensar sem a enciclopédia instantânea. A aprender a passar o tempo, a comunicar, a imaginar. Voltámos ao zero do jogo.”

Nas eleições europeias, vota Nanni Moretti

«Santiago, Italia» é um filme muito simples mas nada óbvio. Trata-se, ao mesmo tempo, de um documentário convencional, quase “jornalístico”, e de uma afirmação inspirada. Uma afirmação política, mas também uma afirmação cinematográfica.

Trutas politicamente incorretas

Depois de ler “O Mestre de Nós Todos”, a antologia de contos e crónicas de Araújo Correia, sentimos o prazer rememorável de uma viagem. Chegámos ao destino, sim, mas o importante é o que guardámos do caminho.

Enquanto o comboio se afasta

O homem deu-lhe umas aulas e, aos poucos, o rapaz foi melhorando. Ainda não tocava nada como o professor mas estava cada vez mais perto de encontrar a sua música.

A incrível verdade na era da pós-verdade

Será que, nesta era da pós-verdade, é tanta a preocupação — nas artes, no jornalismo, na publicidade, nas relações sociais até — em fazer tudo “parecer” verdade que já não há espaço para a verdade que pode “ser”?

Texto feito pelo seu cérebro

A ficção não será útil no sentido em que uma chave de fendas ou um computador são úteis, mas serve para muitas coisas. Desde logo, para dar, ou para “ir dando”, sentido ao mundo.