SAGA

"Um bom animador tem de estar 100% comprometido”, porque realmente só tendo esta dedicação e este compromisso é que daremos todo o nosso coração e todo o nosso tempo a esta organização.

Os gambozinos entraram na minha vida quando eu tinha 13 anos. Mal sabia eu que se ia tornar em algo que iria mudar a maneira como eu vejo as coisas, a maneira como estou com os outros e mesmo a minha relação com Deus. No decurso destes anos fiz atividades ao longo do ano, fiz campos e este ano tive a oportunidade de fazer o SAGA.

O SAGA, atividade do GEMA e também formação para animar, foi uma experiência muito boa e que me fez ver vários temas com outros olhos sendo um desses temas “o compromisso”. Uma das atividades que fizemos foi uma espécie de mini assembleia. Nesta assembleia foram apresentados vários temas/propostas às quais nós podíamos apresentar contrapropostas ou apenas falar sobre o tema. Durante estas conversas foi nos perguntado “quais são as características que um animador deve ter?”, as respostas foram várias: “ser simpático”, “estar disposto a ajudar”, “estar comprometido”, entre outros. Em conversação excluímos todas, porque nenhuma delas era a que realmente interessava, mas houve uma que permaneceu, a do “compromisso”. Então, a falar deste tema percebeu-se que o compromisso é sim a qualidade fundamental para ser um bom animador. A frase que me ficou na cabeça foi “um bom animador tem de estar 100% comprometido”, porque realmente só tendo esta dedicação e este compromisso é que daremos todo o nosso coração e todo o nosso tempo a esta organização que melhora a vida de tanta gente, nem que seja por um dia de campo em que uma conversa com o padre nos deu outra visão das coisas ou uma atividade de GAS em que aquela pessoa que achávamos que não tinha nada haver connosco foi simpática e ficámos amigos ou por tantas coisas grandes ou pequenas que nos mudaram o nosso percurso de vida para melhor.

Os gambozinos trouxeram-me algo que vou ter sempre no coração, que são as pessoas e as experiências. Durante estes dias fiquei a conhecer melhor pessoas com a qual não pensei que me fosse identificar e acabei a dar-me muito bem com elas e a partilhar ótimos momentos, como também pude estar com amigos que conheci na primeira vez que fui a um evento dos gambozinos – os 20 anos. Eu acho realmente incrível e bonito como estas amizades feitas neste ambiente são tão genuínas e mesmo que passe muito tempo sem nos vermos, visto que nos gambozinos tanto há pessoas de Braga como também de Peniche, parece que isso não faz com que estas pessoas saiam do nosso coração. Tanto no GEMA como nos gambozinos em geral, passam-se momentos que nos ensinam e nos ajudam a lidar melhor uns com os outros e o que devemos tirar disto (e que eu também tento tirar disto) é que devemos levar estas aprendizagens para o nosso dia a dia.

Algo que se faz sempre, seja em atividades, minicampos ou campos é ter momentos de reflexão. Esses momentos são mesmo importantes porque às vezes pode não nos estar a apetecer muito, mas, quando nos pomos a pensar realmente neles, temos a oportunidade de refletir sobre coisas que nos preocupam, sobre a maneira como lidamos com certas situações, sobre a maneira como vemos Deus na nossa vida, entre outras. E se as levarmos em mente para o nosso dia a dia ajuda-nos realmente.

Estes dias de GEMA deram que pensar, rir, descansar, partilhar e tanto mais. Permitiu também que aprendêssemos coisas do lado dos animadores que não sabíamos e que animar não só é diversão como também há esforço e dedicação.

Rosarinho Canha