Art on Display. Formas de expor 1949-69

Exposição que assinala os 50 anos do Museu Gulbenkian expõe 80 obras de arte da coleção da Fundação. O ponto diferenciador desta mostra está na familiarização dos visitantes com a prática museológica. Até 2 de março no Museu Gulbenkian.

Exposição que assinala os 50 anos do Museu Gulbenkian expõe 80 obras de arte da coleção da Fundação. O ponto diferenciador desta mostra está na familiarização dos visitantes com a prática museológica. Até 2 de março no Museu Gulbenkian.

Há cinquenta anos, abria as suas portas, em Lisboa, o Museu Calouste Gulbenkian, integrado no edifício-sede e parque da Fundação Calouste Gulbenkian, seguindo as disposições do seu epónimo – Calouste Sarkis Gulbenkian. “Art on Display – Formas de Expor 1949-69” é a exposição que tem como ponto de partida esta efeméride, mas que pode ser entendida de forma autónoma como referem, no catálogo da exposição, os curadores Penelope Curtis e Dirk van den Heulven.

Apesar de estarem expostas cerca de 80 obras de arte, provenientes da coleção da Fundação que nem sempre estão ao alcance do público, o ponto diferenciador desta mostra está na familiarização dos visitantes com a prática museológica. O foco não está na obra de arte em si, mas sim na concepção de “formas de expor”, o que é visível ilustrado através de fotografias de arquivo, desenhos museográficos e réplicas de exposições temporárias e permanentes, idealizadas entre 1949 e 1969.

O foco não está na obra de arte em si, mas sim na concepção de “formas de expor”, o que é visível ilustrado através de fotografias de arquivo, desenhos museográficos e réplicas de exposições temporárias e permanentes, idealizadas entre 1949 e 1969. 

Seja através de cavaletes que lembram o ambiente de criação artística, seja mergulhando em estruturas labirínticas ou mesmo sentando nas confortáveis cadeiras “Tripolina”, o visitante é convidado a experienciar diferentes formas de interação com a obra de arte.

Em sete núcleos diferentes, entre a Galeria Principal e a entrada do Museu, são evocados arquitetos e designers como Franco Albini e Franca Helg, Carlo Scarpa, Lina Bo Bardi, Aldo van Eyck, Alison e Peter Smithson, através da reprodução de algumas das suas soluções expositivas. Através desta recriação, são confrontadas soluções expositivas clássicas, em voga nos anos 50 – época em que foi concebido o projeto museográfico da Gulbenkian-, oriundas de Itália com outras mais interativas e disruptivas que surgiram uma década mais tarde quando foi inaugurado o Museu, provenientes dos Países Baixos e do Reino Unido. Esta é uma oportunidade imperdível de reflexão e interpelação sobre o efeito que a arte expositiva tem na experiência estética e na interação com a obra de arte.

Informações úteis: 

Site da exposição

Local: Av. de Berna, 45A, Lisboa (Mapa Google)

Horário: 
sex / 10:00 – 21:00; seg, qua, qui, sáb,
dom / 10:00 – 18:00;
Encerra à Terça-feira.

Visitas orientadas: sábados às 15h (informação aqui)

Preços:
Bilhete normal – 5€ (Comprar aqui)
Entrada gratuita para portadores de cartão de estudante sextas a partir das 18:00.

Contactos:
Visitas para escolas e grupos organizados
Mediante marcação prévia
217 823 800 (dias úteis das 10:00 às 13:00)
descobrirmarcacoes@gulbenkian.pt
Mais informações
museu@gulbenkian.pt

Fotografia: A. Villani & Figli. Fondazione Franco Albini, 29/24 © Fondazione Franco Albini. D.R. (do site da exposição)

* Os jesuítas em Portugal assumem a gestão editorial do Ponto SJ, mas os textos de opinião vinculam apenas os seus autores.


Brotéria Logo

Sugestão Cultural Brotéria

Esta seção é da responsabilidade da revista Brotéria – Cristianismo e Cultura, publicada pelos jesuítas portugueses desde 1902.

Conheça melhor a Brotéria