A Felicidade para Epicuro

Quase tudo o que acontece é inexprimível e se passa numa região que a palavra jamais atingiu.

Diz Rilke numa carta a um jovem poeta que «nem tudo se pode aprender ou dizer, como nos querem fazer acreditar. Quase tudo o que acontece é inexprimível e se passa numa região que a palavra jamais atingiu»[1].

Ora, alguns insistem na tentativa de expressar o indizível. Um bom exemplo é o de Epicuro a propósito daquilo que é a Felicidade, que expresso desta forma:

 

Querida felicidade

Querida felicidade

De que te falo Meneceu

Dedica-te à verdade

Esquece o desejo teu

Querida felicidade

Que revigoras o antigo

O jovem é puberdade

E o velho amigo

À fruição da vida

Não te impeça o medo

Esta é uma corrida

Atenta ao desenredo

Da ausência à necessidade

Do início ao fim

A porta da felicidade

É benefício assim

A prudência é uma lente

Para a grande sabedoria

A morte é eficiente

Não te tire a alegria

Ora isto é a felicidade

Que tu podes encontrar

Entre o prazer e a verdade

Nem a dor pode faltar.

 

[1]  Rainer Maria Rilke, Cartas a um jovem poeta, trad. Vasco Graça Moura, Modo de ler, 2015, 15.