O que celebramos?

O ano Inaciano comemora uma transformação pessoal que mudou para sempre a história da Igreja. Um acontecimento que, como é habitual na manifestação de Deus na vida, ocorre no milagre do quotidiano, sem recorrer a artifícios. Recordemos os principais marcos de uma história que continua hoje a inspirar pessoas de diversas origens e culturas em todo o mundo.

Ano inaciano

de 20.05.2021
a 31.07.2022

Ferido

Estes foram anos turbulentos. Em 1521 o exército francês invadiu Navarra com a intenção de restaurar o rei navarro ao trono. O cavaleiro Íñigo de Loyola apressa-se para a defesa de Pamplona. A antiga capital do reino era uma cidade em mãos francesas, mas Íñigo entrou na cidadela com a intenção de a defender até à morte, se necessário.

Na segunda-feira de Pentecostes, 20 de Maio, uma bala estilhaçou-lhe a perna direita, ferindo-lhe também a esquerda. Foi levado para a casa da torre da família e foi submetido a várias operações; estava à beira da morte, mas conseguiram salvar-lhe a vida.

Encontro

Passou a sua longa convalescença a ler livros que encontrou na biblioteca da casa: uma história de Cristo e um volume de vidas de santos. Passou dias inteiros a ler e nele cresceu um pensamento: “Se aqueles homens eram feitos do mesmo barro que eu, eu posso fazer o que eles fizeram”.

Uma noite, a Mãe de Deus apareceu-lhe, rodeada de luz e carregando o seu Filho nos seus braços. A partir daí só pensava em transformar a sua vida: queria deixar a sua casa ancestral e ir para Jerusalém como peregrino. Iñigo não sabe que Deus apenas começou a trabalhar no seu coração.

Mestre

O seu objetivo é chegar à Terra Santa embarcando em Barcelona. Mas a cidade estava fechada por medo da peste e ele teve de esperar na pequena cidade de Manresa. Ali, ficando num convento e num hospício para os pobres, e retirando-se para uma caverna para rezar, Deus trabalhou uma nova transformação nele. Durante onze meses (de Abril de 1522 a Fevereiro de 1523) alternou entusiasmo, angústia, penitência, desespero, visões espirituais e misticismo.

As consolações dos primeiros dias foram seguidas por um período de aridez espiritual, de vazio e tempestade. Finalmente, sai dessa noite escura e começa a escrever algumas experiências que o servirão para o livro dos “Exercícios Espirituais”. Inigo vai-se tornando, desde aquela experiência, num mestre do espírito.

A caminho

Um dia, em Fevereiro de 1522, despediu-se da sua família e pôs-se a caminho. Passou por Aránzazu e Navarrete até chegar ao Mosteiro de Montserrat. Este é o itinerário que recordamos hoje no que é conhecido como o “Caminho Inaciano”. No mosteiro de Montserrat confessou os seus pecados e na noite anterior ao 25 de Março, festa da Anunciação, despiu-se das suas roupas de nobre e determinou-se a levar a vida de um penitente em caminho.