Centro Juvenil e Comunitário
Padre Amadeu Pinto, SJ

É uma luz de esperançano meio deste bairro social, fruto da dedicação da Companhia de Jesus e dos muitos que com ela vão colaborando. Neste Centro muitas das crianças e jovens daquela zona recebem o amor, a atenção e muitas vezes a comida, que lhes falta nas suas casas. A maioria passaria o dia na rua, não fora o Centro, numa vida completamente à margem da cidadania. Mas, felizmente, no Centro, têm um local de aprendizagem, de educação, de atividades lúdicas, desportivas, culturais, religiosas, de são convívio, de onde nos últimos anos, têm saído bons resultados.

O espaço do novo Centro Juvenil da Paróquia de S. Francisco Xavier de Caparica foi entregue à tardinha no dia do funeral do Padre Amadeu Pinto, também dia de S. José, 19 de março de 2009. Foi unânime a decisão de se lhe chamar “Centro Juvenil e Comunitário Padre Amadeu Pinto SJ” e de escolher o lema: “Fazer o bem, bem feito!“.

Depois das obras, foi inaugurado um ano depois, a 19 de março de 2010. Apoia cerca de 100 elementos, e pretende ser uma segunda casa para as crianças e adolescentes das famílias dos nossos bairros. A Eucaristia, neste dia de S. José, concelebrada por cinco sacerdotes jesuítas e presidida pelo P. Paulo Teia foi participada por muitos amigos de todas as idades e vindos de vários lados, que encheram a grande sala do novo espaço. Assim iniciou-se o Centro Juvenil e Comunitário P. Amadeu Pinto. Seguindo-se a visita às várias salas e um convívio partilhado.

Que seja sempre um espaço de bem fazer à juventude e às suas famílias, uma casa de amigos de Jesus!

O seu primeiro Diretor foi o P. Paulo Teia, SJ que procurou dar um grande impulso ao Centro Juvenil. O 2º Diretor foi o Ir. José Silva, SJ.

Na etapa presente, tem como diretor o P. Gonçalo Machado,SJ que chegou em setembro de 2015.Tem tido sempre a preciosa colaboração da Zi – Maria Luísa Gaivão, assim como demuitos outros colaboradores, voluntários, benfeitores e mecenas.

 

Escusado será de dizer que um Centro destes tem enormes custos de operação. Nos últimos dois anos tudo foi possível graças ao apoio de uma fundação espanhola que quis e pode acarinhar este trabalho. Mas, para este ano, já não houve esse apoio…

E é aqui que podemos entrar nós, respondendo ao convite que o Papa nos fez no dia Mundial da Paz de 2016: “(…) com o Jubileu da Misericórdia, quero convidar a Igreja a rezar e trabalhar para que cada cristão possa maturar um coração humilde e compassivo, capaz de anunciar e testemunhar a misericórdia, de «perdoar e dar», de abrir-se «àqueles que vivem nas mais variadas periferias existenciais, que muitas vezes o mundo contemporâneo cria de forma dramática», sem cair «na indiferença que humilha, na habituação que anestesia o espírito e impede de descobrir a novidade, (…)»